Esperança

35
3611

António Costa quer avançar para a liderança do PS, um acto sensato, lógico e que pode funcionar como um balão de oxigénio para os portugueses sem esperança, como eu, que já se imaginavam a chegar a 2015 e a ter de escolher entre uma coligação esfarrapada, desgastada depois de um mandato devastador, e um PS miserável liderado pelo político mais vazio que já esteve à frente de um dos principais partidos desde o 25 de Abril. Agora, pelo menos, há um caminho novo. Pode ser bom, pode ser mau, ninguém o pode prever, mas, pelo menos, é fresco, diferente, uma alternativa com credibilidade, força.

Depois das eleições de domingo, só mesmo Seguro e Assis (e Maria de Belém, vá) é que parecem não ter percebido que a liderança do PS deixou de ter condições para guiar o partido até às Legislativas. Soares percebeu-o, Costa percebeu-o. Por isso, avançou.

Agora, começa a batalha interna para conseguir marcar eleições para a liderança do partido, algo que está vetado antes das legislativas, por imposição dos estatutos. Costa vai ter de convencer pelo menos 50 por cento das federações socialistas a pedirem eleições antecipadas, para poder ir a votos contra Seguro.

Fica assim provado o que ontem defendi, de que é absurdo achar-se que não se substitui um líder que ganha eleições. Claro que se substitui. Depende sempre do impacto da vitória que teve. O impacto da de Seguro foi negativo. Ter ganho por 4 por cento ou ter perdido é praticamente a mesma coisa. É uma vitória tão magra que torna evidente que esta liderança jamais conseguiria chegar às legislativas em condições de ganhar com margem confortável.

Ninguém pode saber o que Costa nos irá dar se for primeiro-ministro, mas eu sei que enquanto líder da oposição, pelo menos, dá-me esperança. E isso, hoje, vale ouro.

35 Comentários

  1. Pois que se lixe o pessoal que votou para a câmara. vem ai uma esperança, a tal que já sonhava há dois anos atrás e que por motivos pessoais não se candidatou. somos é marionetes nas mãos destes cavalheiros. Querem é tacho.

  2. Rui Rio e Antonio Costa já receberam o mandato no clube Bilderberg onde estiveram juntos. Qual a surpresa? Já se sabe há mais de dois anos que são os senhores que se seguem.

  3. Eu, um abstencionista por convicção de à longa data, não subscrevo este post!

    Digam o que disserem, escrevam o que escreverem o problema do PS é o próprio PS. Um partido que, ao fim de 14 anos no poder, o único legado que deixa digno de registo, é a quase bancarrota com os cofres do Estado vazios, chamando os credores porque não tem dinheiro para no mês seguinte pagar salários a funcionários públicos, não tem qualquer credibilidade. Seja com Costa ou Seguro o problema persiste. Senão reparem na banhada que que o PSF e e PSOE levaram nos seus países.
    A CREDIBILIDADE, exige-se, quem não a tem ou a perdeu, não chega a lado algum!

  4. A capacidade de andar entre os pingos da chuva, falando falando e falando mais um bocado, sem nunca se comprometer com nada, ser sinpático, e ter boa imprensa (devido, principalmente, aos 2 pontos anteriores) faz com que se transforme na “esperança” para o governo deste nosso portugal. Pedia-se mais qualquer coisa, mas ainda assim, é como diz o outro: Cuidado com o que desejas….

  5. Meu caro Arrumadinho Betinho. Depois de ler o seu texto, sobressaiu-me algo de imediato: V. Exa. pode ser arrumadinho em muitas coisas, menos no raciocínio. António Costa uma Esperança? Em quê? Um homem que fez parte dos Governos Socráticos que nos conduziram ao tal Governo austero e devastador e que ocupou sem convição o lugar de presidente da CM Lisboa das mais endividadas do país sem que obra de relevo se note. Cordiais cumprimentos,
    Pedro Emanuel

  6. Não esquecer que o partido socialista foi quem mais afundou o nosso país e António Costa também fez parte, eu nunca votaria no PS com António Costa na liderança

  7. Tal e qual… E não saímos disto. Faz-me lembrar a eleição do Guterres, grande festa, os subsídios, a isenção de propinas e tudo e tudo… A bonomia do primeiro-ministro, contra a austeridade do anterior. Estraga, estraga, para depois ter que vir o PSD arrumar a casa e ficar com a má fama!

  8. Concordo com tudo o que disseste! Mesmo que sejam todos farinha do mesmo saco, Costa é um sinal de esperança. Ao pé do Passos, que é frio, trata as pessoas como números, Costa pelo menos é mais caloroso e mais próximo das pessoas! E não concordo com o que dizem, eu também votei Costa para Lisboa mas confio nele e sei que ele faz mais falta noutro lado! Não é abandonar os Lisboetas, pelo contrário! Precisamos de uma pessoa assim, mais próxima de nós, que nos dê esperança, que não nos ponha sempre para baixo… Eu sei que os portugueses têm muitas razões para não serem optimistas, mas também acho que devemos confiar mais em nós! Nós portugueses precisamos de aumentar a nossa confiança, só assim conseguiremos ultrapassar esta fase e o até o nosso trabalho começa a ser produtivo! Há muita falta de humanidade neste PSD de agora…

  9. Considerando que tinha reunido com Seguro há algum tempo, afirmando que não iria candidatar-se à liderança, por este ter sido recetivo à sua proposta (30/01/2013);
    Considerando que ainda nem fez 1 ano de 2º mandato na Câmara de Lisboa, o que mostra um tremendo desrespeito por quem o elegeu e nele confiou;
    Considerando, a meu ver, o mau trabalho na Câmara;
    Considerando que apesar do PS ter uma vitória de Pirro, o PSD/CDS teve uma derrota grande, Costa, ao eleger este como o momento, deu a mão ao PSD/CDS porque agora ninguém quer saber deles.

    Resumindo, para mim, é farinha, com gorgulho, do mesmo saco. Continuando a ser simpático, é um abutre, mais preocupado com ele, do que com o país.

  10. Confesso que fiquei satisfeito ao saber ontem que António Costa quer avançar para a liderança do partido porque lhe reconheço mais valor e capacidade que sinceramente não consigo vislumbrar em António José Seguro.
    Quanto mais fortes forem as alternativas ao actual governo melhor para o País. Nesse sentido parece-me que António Costa poderá trazer uma nova esperança.
    Contudo, tenho de ser sincero e dizer que o considero algo oportunista. Inteligente sem dúvida, surge no momento ideal em que a probabilidade do PS ganhar as próximas legislativas é forte face ao descontentamento de grande parte dos eleitores que tem sofrido com as medidas de austeridade. Surge após uma vitória do PS pouco convincente e abaixo de todas as expectativas. Não o posso censurar quando diz que sente o dever patriótico de avançar a bem do País. Contudo, fico de pé atrás ao ver que interrompe o mandato para o qual foi eleito pelos eleitores que nele confiaram para a Câmara de Lisboa…
    “Quase” que fico com pena de Seguro face a todo o trabalho (medíocre é certo) a que se deu durante estes últimos anos, ele que já devia estar cheio de expectativas e a ver-se como próximo PM de Portugal… Agora é vê-lo morrer na praia. Mas esta quase pena minha é dita com alguma ironia, pois acho que seria um PM fraco do qual o País não precisa neste momento… Por isso antes assim.
    Apesar de achar António Costa mais um oportunista político, sempre lhe reconheço maior capacidade como alternativa para o País. A ver vamos…

  11. Esperança?!… de quê, se é tudo farinha do mesmo saco! Alguém o viu criticar o Sócrates, nos tempos dos seus devaneios políticos que nos levaram a esta situação?… Pertence à família dos “olhai para o que eu digo e não para o que faço”. Vejam o Dr. Soares: haverá alguém neste País (falo de políticos) que tenha gasto mais dinheiros públicos do que ele, em viagens à volta do mundo, passeando em cima de camelos, nas presidências abertas (maltratando os agentes de autoridade que lhe abriam caminho nas estradas), distribuindo benesses aos seus amigos e agora anda armado em moralista, acusando tudo e todos?!!! Políticos?… Dá-me vómitos ouvir esta gente, justificando-se do injustificável, usar argumentos que ferem a nossa dignidade de cidadãos! Odeio-os e jamais perdoarei o mal que me têm feito. Na sua maioria, são gente sem Alma, desprovidos de sentimentos e virtudes, mentirosos e outros adjectivos que me abstenho de enumerar! Acreditar nesta gente e lutar por eles?! Jamais, jamais…

  12. Mais do que consensos ao centro, num empastelamento político fértil ao aparecimento de populismos, Portugal precisa de uma definição à direita e à esquerda. À esquerda, só vejo uma pessoa (António Costa) capaz de federar à volta do maior partido da oposição a grande maioria de descontentes com a actual maioria governativa e até chamar a responsabilidades governativas a esquerda que se limita a protestar e se recusa a “sujar-se” em cargos governativos. Chegará a hora de PS e PCP encontrarem uma plataforma mínima de entendimento. Já o fizeram em Lisboa. Os anos 70 e o papão do comunismo é coisa do passado. À direita, só Rui Rio poderá fazer o mesmo papel. A bem da qualidade da democracia portuguesa e dos seus protagonistas, marquem lá o duelo para as próximas legislativas.

  13. De esperança e de dívidas, novamente. Que é o ónus do PS… Bar aberto. Para toda a gente. É uma Happy Hour constante… Depois quem vem pagar as contas? O PSD. Sempre assim foi. PS estraga, PSD põe no sítio… And so on, and so on.

  14. António Costa é, sem qualquer dúvida, sinónimo de esperança.
    É a única pessoa que se afigura neste momento no PS que me faça não ter que votar PSD nas próximas eleições (não que vivesse angustiado com isso porque acho que o trabalho deste governo embora duro foi o necessário com todos os erros e as virtudes das decisoes, mas apenas não queria votar em rostos que não me enchessem de esperança). Sei que provavelmente será tudo igual, mas é preciso esperança em Portugal. E Costa, com provável maioria, encheria Portugal de esperança.

  15. Se Costa realmente avançar perde todo o meu respeito. Nunca gostei do PS, nunca votei PS, mas nas autárquicas votei António Costa pelo compromisso que dizia ter com os lisboetas.

    Se deixar o cargo de Presidente de Lisboa para a liderança do PS só mostra que não cumpre com os seus compromisso e que é um oportunista – não lhe apeteceu carregar com o PS na oposição, dá trabalho, mas agora que (sejamos sinceros, todos sabemos que já começou) se inicia a campanha para as legislativas o lugar já lhe parece apetecível. Sim, todos sabemos que o Tozé é um banana e que se estiver na liderança do PS nas legislativas pode ganhar mas com pouca margem. Se for o António Costa na liderança aí não tenho muitas dúvidas que seja uma maioria absoluta.

    Se o vulgar cidadão sabe isso, melhor o sabe quem faz da política a sua vida.

  16. Olá Paulo. Recomendo-te que leias tudo o que já escrevi neste blogue sobre o Partido Socialista para, assim, poderes repensar a tua frase “não passa de um socialista camuflado de sebastianista”. O facto de achar que sou socialista envaidece-me, é apenas sinal de que consigo ser independente o suficiente para que, aqui, haja quem me ache socialista, social-democrata ou comunista (sim, também há quem ache que eu sou do PC). Só ainda não me rotularam de democrata-cristão.
    Em toda a minha vida, lembro-me de ter votado PS uma vez: na primeira eleição de José Sócrates, contra Santana Lopes. E acho que foi só. Tem razão quando diz que eu bato de norte a sul e de este a oeste. É verdade. Eu bato quando acho que devo bater, seja nos rosas, seja nos vermelhos, seja nos laranjas, seja nos azuis e amarelos, seja nos independentes. Da mesma forma que elogio quando acho que devo elogiar, independentemente da cor política. E assim continuarei a ser. Já agora, gostava que me dissesse onde é que encontra contradições neste texto, comparativamente com o que escrevi no passado. Um abraço.

  17. Bom bom era o passos também ser forçado a ceder o seu lugar a rui rio. O seguro ser forçado a ceder o lugar a Antônio costa. Aí sim era certo que ganhando um ao outro Portugal tinha motivos para ter esperança, e a abstenção ia diminuir gigantemente.

  18. António Costa não foi eleito para a Câmara Municipal de Lisboa?
    Ao candidatar-se a líder do PS, tendo como objectivo ser 1º ministro, não está a defraudar os eleitores que o elegeram?

  19. Bolas! Ricardo finalmente concordo consigo a 100%! Disse tudo o que eu penso!
    António Costa consegue fazer omeletes enormes só com um ovo!
    Tenho esperança nele, é bom voltar a ter uma réstia de esperança.
    Espero que Seguro seja um homem com visão e veja que Costa tem mais carisma e experiência. Que deixe as guerras internas e desavenças antigas de lado e pense no povo que sofre.

  20. Boa tarde Ricardo,

    Nem me digno a ler o post até ao fim. Aquele que ontem defendia o carácter politico hoje espeta-nos com um post completamente contraditório. Não corre maratonas? Não sabe que para elas é preciso coerência para poder acabar uma?

    Hoje, escrevo numa condição que não me gosto de rever. Tinha por si a maior alta estima e, pese embora, muitas vezes não concordar com o que escrevia, sempre foi coerente com aquilo que escreve. Granjeou críticas de norte a sul, de este a oeste mas sempre teve um fio condutor que para além de o definir sempre conquistou o meu respeito. “Aquele que nunca teve inimigos na sua vida foi porque nunca defendeu aquilo o que pensava”, não me recordo quem o disse mas sempre foi um apanágio que lhe reconheci…

    Esqueça… Não passa de um socialista camuflado de sebastianista que acredita que no meio da bruma virá alguém para salvar o país.

    Coerência? É respeitar quem o elegeu para presidente da Câmara de Lisboa com a maior vitória de sempre e assim cumpre o seu mandato. Não é, nem com menos de um ano passado, não cumprir o seu mandato e se lança na busca daquilo que sempre quis mas que sempre confessou que o seu compromisso era com os habitantes (votantes) de Lisboa.

    Não sou sebastianista, nunca fui e nunca serei. A isso? Chama-se coerência e que volatilidade dos tempos não me corrompem, nem me deixo corromper.

    Um abraço,
    Paulo

  21. Subscrevo na íntegra, com excepção de que nunca me passaria pela cabeça a possibilidade de votar na “coligação esfarrapada”… Acho a possibilidade do António Costa ser líder do PS e, consequentemente, candidato nas legislativas é das primeiras boas notícias que este país recebe nos últimos anos.

  22. Nem mais. Mais do que partidos, a política é feita de homens e António Costa tem pelo menos o carisma e esperança de que os portugueses precisam neste momento, tudo aquilo que Seguro não tem. Espero mesmo que isto seja o começo de um virar de página do panorama político actual.

  23. A esperança é sempre efémera no que toca à política! Não acredito que costa seja diferente de passos! A situação econômica do pais exige e exigirá durante alguns anos austeridade!

  24. António Costa e Rui Rio são dos poucos políticos em quem acredito para ter um país diferente e com uma liderança distinta da que temos agora. Há muito que defendo que António Costa é o homem que deveria estar no lugar de Seguro e acredito que tenha adiado essa opção ao máximo. Agora, perceberam que essa opção tem de passar a obrigação e que é o melhor (e talvez o único) caminho para acabar com as esperanças de Pedro Passos Coelho e do PSD para as próximas legislativas.

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

DEIXE UMA RESPOSTA