Helton és e serás sempre um dos meus

6
1049

Acho que não preciso de o dizer, quem me lê já o sabe: sou desde sempre adepto do Benfica, sócio do Benfica, apaixonado pelo Benfica. Sou também, desde sempre, adepto de futebol e apaixonado por futebol e por bons futebolistas. Mas sou ainda um admirador de pessoas boas, de gente justa e com uma postura séria perante a vida. É por tudo isto que hoje escrevo sobre o futebolista que mais admiro na Liga Portuguesa: Helton, o guarda-redes suplente do FC Porto.

Há muitos anos que o Helton tem demonstrado que é muito mais do que um futebolista, é um homem a sério, bem formado, que não entra em guerras clubísticas, não promove ódios nem separações, não olha à cor das camisolas à procura de inimigos, vê ali colegas, outros homens, amigos, gente que, como ele, defende com honra e profissionalismo o clube que lhe paga, mas entende o futebol como um jogo e não uma batalha onde se mata ou morre, onde só se pode amar ou odiar.

São às mãos cheias os exemplos de enorme grandeza e fair-play que Helton tem demonstrado nos últimos dez anos, desde o dia em que vestiu pela primeira vez a camisola do FC Porto. Já o vi abraçar dezenas de jogadores de clubes adversários, rivais, já o vi às gargalhadas e em grandes conversas depois dos jogos, ainda no relvado, com colegas de profissão do Benfica e do Sporting, já o vi dezenas de vezes a falar em entrevistas sem uma única vez referir arbitragens, teorias da conspiração, questões extra-futebol, também já o vi em várias reportagens a tocar viola ou cavaquinho e a animar o balneário, a brincar com toda a gente, sempre com uma enorme felicidade, atitudes de quem está de bem com a vida. Já vi também o Estádio de Alvalade a aplaudi-lo de pé no momento em que saiu lesionado, com uma rutura do tendão de Aquiles, de um Sporting-FC Porto, e isto aconteceu, precisamente, porque Helton é Helton, este homem, este desportista. A atitude dos adeptos do Sporting, nesse dia, mostrou que, tal como eu, quando as pessoas são boas e justas não há rivalidade que impeça alguém de dar a mão a um adversário num momento difícil.

Quando voltou desta terrível lesão, após quase um ano parado, em janeiro do ano passado, Helton fez uma exibição do outro mundo em Braga e segurou um empate impossível para o FC Porto, num jogo da Taça da Liga. No final, chorou porque se sentiu vivo, como disse na entrevista após o jogo. Nesse dia, coloquei uma foto do Helton na minha página de Facebook com uma legenda que dizia apenas “Tu mereces”.

Este fim de semana, o que Helton fez no Estádio do Bessa, quando correu a abraçar o colega do Boavista que falhou o penálti que daria o empate à equipa no último minuto, foi considerado por muita gente como um ato heróico. Eu acho que não foi. Acho que foi apenas Helton a ser ele mesmo.

Houvesse mais homens assim e o futebol era um desporto muito mais justo, honesto e bonito. Helton: és e serás sempre um dos meus. Um abraço de um benfiquista que gosta de futebol.

6 Comentários

  1. Desde garota sempre fui fã de futebol. Sempre adorei ver os jogos e ouvir os relatos.
    De há uns anos para cá que ando completamente off.
    Desde que o futebol passou a ser uma negociata e deixou de ser um jogo de homens. Homens à antiga, de bigode, que não se preocupam com o penteado, com as tatoos, com as campanhas publicitarias que lhes dão projeção e dinheiro, mais dinheiro.
    São necessários mais Heltons. Mais, muitos mais!!

  2. O meu F. perguntava-me um dia, ao vermos uma reportagem sobre uns meninos de Braga que ficaram órfãos devido a uma explosão de gás onde o sonho de um deles era ir ao Dragão e conhecer Casillas, perguntou então o puto:”quem gostarias de conhecer,da equipa do Porto??
    e eu respondo:
    -O Helton .
    -O Helton!!!!!
    -Sim o Helton.
    – Dou te um exemplo: A equipa levou 3 do Maritimo em casa, uma tremenda assobiadela no final do jogo o treinador correu para o balneário, o Helton chamou toda gente ao centro do relvado esse acto demonstra o respeito pelos adeptos.
    Obrigado Ricardo por este texto

  3. O Helton é mesmo assim. É puro. Já me cruzei com ele inúmeras vezes – moro no Porto – e nunca o vi com má cara. Está sempre com um sorriso nos lábios, sem ponta de vedetismo.
    Tinha muitas razões para ser vaidoso, mas é humilde, acessível, paciente e carinhoso com todos.

  4. Palavras certeiras as tuas.
    De elogiar também o post do Casillas, que nessa noite publicou uma foto abraçado ao Helton, com a legenda “o meu herói, o nosso herói”.
    Abraço

  5. Nem de propósito, ontem a ver o jogo disse ao meu pai que o Helton é o meu jogador favorito do Porto, e da Liga. Tenho muito orgulho em ter um Homem destes a defender as cores do meu clube. Um abraço de uma portista 🙂

DEIXE UMA RESPOSTA