Mateus: o primeiro dia de bata

6
34522
Esta boa disposição matinal é uma coisa muito pouco usual

O Mateus andou o fim de semana todo numa excitação enorme com o facto de se estar a aproximar o dia em que iria usar pela primeira vez a bata da escola. Falou disso umas 20 vezes. Como ainda não sabe distinguir o ontem do hoje ou do amanhã, saíam-lhe frases como:

— Pai, ontem vou usar a bata da escola?

— Não, Mateus. Na segunda-feira vais usar a bata da escola. O ontem já passou.

Ele lá ficava a olhar para mim com aquele ar de “ah, ok, whatever”.

Hoje, claro, assim que acordou lá perguntou:

— Pai, amanhã vou usar a bata da escola?

— Não, Mateus. É hoje. Vamos vestir a bata agora.

Só que o entusiasmo natural do fim de semana dá lugar, por norma, a umas pouco simpáticas birras de segunda-feira de manhã, que juntam excesso de mimo, brincadeiras e sono, tudo acumulado ao longo de dois dias. A explosão por norma dá-se ali à segunda-feira entre as 7h15 e as 7h30.

— Nããããããããão!!!!!

— Não o quê, Mateus?

— Não quero a bata!

— Não queres a bata? Mas andas há três dias a dizer que queres vestir a bata.

— Nããããããããão!

— Mas hoje tens de levar a bata.

— Não quero! Quero ficar com o pijama.

Teve de ser na base da chantagem, pronto. É pouco bonito, mas acho que muitos pais me entendem.

— Tudo bem. Ficas de pijama. Mas não há Patrulha Pata de manhã. Nem leitinho.

— Nããããããão!

— Não o quê?

— Eu quero a Patrulha!

— Então vamos vestir a bata?

— Sim.

Sempre que alguém precisar, a Patrulha Pata vai ajudar.

6 Comentários

  1. Eu, que sou leitora desde o Guaxinim, sinto necessidade de partilhar este comentário consigo.
    Acho impressionante que, nem com um blogue novo, o Ricardo consiga ser minimamente consistente… Gosto imenso de ler O Arrumadinho, mas, de facto, acho um caso estranhíssimo… As pessoas ficam sempre com a ideia de que a montanha pariu um rato. Frases do tipo (estou a citá-lo): “grande novidade do ano”, “muitos posts novos”, etc. Do tipo, “ah, tenho um endereço novo, agora é que vai ser!” Sim, vai ser, mas só durante duas semanas!…
    E já não é a primeira vez, nem a segunda, que isto acontece. Já vi O Arrumadinho dizer, no noutro endereço, coisas do género “bem, a partir de agora vai ser diferente, vou escrever todos os dias, conteúdos novos, o blogue nunca mais vai ficar parado!”. E passado, sei lá, uma semana!, não escreve durante meses.
    Sem ironia, acho este um case study: a relação entre a intensidade das expectativas iniciais (que sente e que transmite aos leitores) e o curtíssimo tempo que elas duram.
    Não duvido que seja uma pessoa ocupadíssima e sem tempo para isto (não é o que está em causa). O problema é como passa a vida a garantir (com pompa e circunstância!) que desta vez vai ser diferente. E nunca é. É uma descredibilização total.
    Tenho pena, porque acho que há muita gente que gostava de o ler.

  2. Comecei a ler a vosso blog (o seu é o da Pipoca) porque os nossos filhos nasceram praticamente na mesma altura. Quantas vezes comentava com o meu marido ” olha isto também acontece a eles!” Sempre gostamos do modo practico e descomplexado com que vêm esta magnifica aventura da parentalidade. Obrigada

    P.S. O miúdo só comeu bolachas depois de ter os dentes todos!

  3. Os meus raramente me dão problemas com a bata, benzadeus. Mas desde 1 ano que levam, sabem que é a regra e estão muito habituados. Mas o melhor dia da semana é quando têm aula de educação física logo de manhã, em que a bata fica na mochila!

  4. Bom dia,
    eu tenho o mesmo stress diário com a farda e o ir para a escolinha, e sim também não há patrulha pata (ou Blaze) antes de vestir 🙂

    Queria fazer uma perguntinha adicional se se lembrar. Onde arranjou esse santo António (que está aí na moldura atrás do Mateus)? Há anos que procuro esse molde de Santo António. A minha mãe tem um que é mais antigo que eu ( eu tenho 39 anos) e que já caiu várias vezes o que faz com que a carequinha do Santo antónio já parece as estradas de lisboa, esburacadas e cheias de remendos mal amanhados, mas a minha mãe adora a expressão daquele Santo António e não quer outro. Se eu lhe arranjasse um novo, mas igual ela ia adorar. Ia ser um óptimo presente para os 80 anos dela.

    Obrigada.

DEIXE UMA RESPOSTA