Os direitolas, a esquerdalha e o direito a pensar diferente

18
850

Portugal vive um dos períodos políticos mais efervescentes das últimas décadas. Quase todas as pessoas sentem o que se está a passar de forma apaixonada, o que leva a que quase sempre as posições que tomam, as coisas que dizem, a forma como expõem a sua opinião seja muitas vezes mais um ataque a quem pensa diferente do que uma efetiva defesa de uma posição individual, uma ideologia ou uma ideia política.



Isto leva-me a uma discussão que já tenho há muito tempo com várias pessoas, e que tem a ver com uma coisa muito simples: o facto de uma pessoa ser de esquerda ou de direita não tem nada a ver com o facto de uma pessoa ser a favor dos patrões ou dos trabalhadores, dos ricos ou dos pobres, de quem trabalha e de quem é trafulha, de quem oprime e de quem é oprimido. Nem as pessoas de direita são os “direitolas” betos, filhos de papás ricos que andam em brutos carros e vestem Façonnable, nem os de esquerda são “esquerdalhas” que não tomam banho, fumam charros e querem é passar o dia a fazer greves.

À esquerda ou à direita, há (ou deve haver) uma preocupação política superior: a de encontrar o melhor rumo para o País, a de procurar a solução mais eficaz para que as pessoas vivam, todas elas, cada vez melhor, com melhores salários, melhores empregos e melhores condições sociais. Uns acreditam que isso se consegue seguindo uma ideologia de esquerda, outros acreditam que isso se consegue seguindo uma ideologia de direita.

Eu já tive as duas visões. Durante muitos e muitos anos, até aos meus 28, 29 anos, achei que o modelo ideal para conduzir a sociedade a um caminho mais justo seria o de esquerda. Achava que a nacionalização de algumas áreas-chave da economia poderia permitir uma redistribuição da riqueza de forma mais justa, achava que reforçando diretamente o poder económico das pessoas poderia encontrar-se um caminho mais rápido e seguro para a estabilidade das famílias e dos empregos.

Fui sempre, desde a adolescência, e até quase aos 30 anos, um homem de esquerda. Votei várias vezes na CDU, no Bloco de Esquerda, em candidatos presidenciais apoiados pelo PCP. A partir dos 25/26 anos, e por ter começado a viver a vida como ela é (ou como foi para mim, pelo menos), por ter tido diferentes experiências pessoais e profissionais, por ter lido muitas coisas, senti que estava errado, que as coisas em que vinha a acreditar não batiam certo com a minha vida, a minha experiência, os meus exemplos, as coisas que via a acontecerem. Comecei a identificar-me mais com uma visão moderada do mundo e da sociedade, passei a ver o caminho comum europeu como o caminho certo, deixei de ver necessidade nas nacionalizações e, sobretudo, deixei de achar que o Estado deve ser o suporte de toda a sociedade, que o Estado deve ser dono de empresas de vários sectores, um paizinho de toda a gente, um distribuidor de subsídios por dá-cá-aquela-palha.

Hoje, acredito que uma economia de mercado livre, com um Estado regulador, gera mais empregos, mais competitividade e concorrência que favorece o consumidor, acho que é isso que permite pagar melhores salários (basta ver quanto ganha um quadro médico da função pública e um quadro médio de uma empresa privada), acho que é isso que permite que as empresas sejam mais competitivas e tenham mais dinheiro para investir e, com esse investimento, criarem mais postos de trabalho e aumentarem os salários de forma sustentada, sem porem em causa a viabilidade das empresas.

As economias de mercado têm, obviamente, problemas, geram desigualdades, há muitas empresas que pagam salários baixos, mas, sinceramente, acho muito mais chocante um professor em início de carreira ganhar o que ganha do que uma pessoa sem formação superior com um emprego que não requer qualquer tipo de qualificação levar para casa um salário mínimo (seja ele qual for). E quem paga ao professor é o Estado. Logo, não é por haver uma economia de mercado que há salários baixos, pelo contrário, um mercado concorrencial na mão de privados favorece o aumento dos salários, sobretudo das pessoas com mais mérito, mais qualificadas, mais competentes, as que representam mais-valias para as empresas e, por isso, são requisitadas pelo mercado, pelas empresas concorrentes. Tudo isto, acredito eu, deve motivar-nos a querermos ser melhores no que fazemos, mais empenhados, mais competentes. Claro que isso pode não acontecer, podemos nunca vir a ter aumentos substantivos, mas isso não significa que o princípio da coisa está errado, significa apenas que não se pode aplicar a 100 por cento dos casos, como nada se pode aplicar a 100 por cento dos casos.

Ou seja, hoje acredito muito mais nos princípios gerais que regem as políticas de direita do que de esquerda, unicamente porque acho que esse é o melhor caminho para a sociedade, para as pessoas e para o País. Não há ninguém que me possa dizer que estou certo ou que estou errado, não há ninguém com certezas sobre este assunto, porque não há certezas sobre ideologias, porque todas elas já tiveram sucesso e já fracassaram, e talvez a única que nunca tenha tido sucesso efetivo seja a comunista, que nunca funcionou em qualquer modelo de sociedade – a História mostra isso. Há economistas geniais que defendem princípios políticos e económicos de esquerda e há economistas geniais que defendem princípios económicos de direita. Uns não são melhores do que os outros, apenas têm convicções diferentes, porque é disso que se trata quando se discute política: convicções pessoais.

Ao longo destes últimos anos, foi-me sempre muito difícil falar publicamente sobre isto, sobre o facto de acreditar mais numa política de direita. Ser apoiante do PDS, ou da coligação que geriu o País, era quase um crime. Ainda assim, nunca tive qualquer problema em defender publicamente muitas das políticas da coligação de governo. Para muita gente isto continua a ser um crime, precisamente porque não entendem o que disse no início: são convicções, se eu defendo estas políticas é porque acredito que elas são as melhores para o País e para os portugueses. Mas só por dizer o que penso, e por serem políticas de direita, já sei que vou levar com os comentários do costume, de que só penso isto porque estou bem na vida, ou porque ganho muito dinheiro, como se não houvesse pessoas que ganham mal, que estão desempregadas, que vivem com muito pouco e são de direita (da mesma forma que há gente com muito dinheiro e muito bem na vida e é de esquerda — não tem a ver com dinheiro ou posição social, tem a ver com aquilo que acreditamos ser melhor).

O governo de coligação PSD-CDS cometeu erros, teve falhas, criou imensos problemas, apostou em medidas completamente ao lado, mas acredito que houve um esforço sério e nada populista para endireitar o País. Ninguém acredita que haja um só primeiro-ministro no mundo que goste de aumentar impostos e cortar salários. Não há. Se isso aconteceu, foi porque teve de acontecer, porque havia metas urgentes a cumprir para evitar que Portugal entrasse numa espiral de crise sem fim, tal como aconteceu com a Grécia. Felizmente, e após grandes sacrifícios de todos nós, Portugal conseguiu atravessar o deserto, equilibrar as contas, relançar a economia, estabilizar os mercados, e a prova de que as pessoas valorizaram tudo isso surgiu nas eleições: a coligação ganhou. Dizer que a coligação não ganhou, que quem ganhou foi “a esquerda”, é atirar areia para os olhos das pessoas. A coligação foi o partido mais votado, e é isso que significa ganhar. Não se sabe, nem nunca se saberá, quando valia esta esquerda unida em eleições. Eu acredito que não valeria o suficiente para derrotar a PAF, e também acredito que veremos isso ainda este ano, ou no início do próximo, quando houver eleições antecipadas.

Mas mesmo tendo nós um novo governo, em que eu não acredito, e que não creio que possa durar muito tempo (por culpa própria — o que separa os partidos que suportam o governo é muito mais do que aquilo que os une), espero sinceramente que faça um bom trabalho, a bem de todos nós. Há dias fiz uma analogia na minha página pessoal de Facebook que repito agora aqui: “Nunca desejei que o Benfica perdesse para que um treinador fosse despedido da mesma forma que jamais desejarei que um governo enterre o País para que se prove que tenho razão. Espero bem que António Costa faça um grande trabalho e prove que tem competência para liderar Portugal. Da mesma forma que espero que Rui Vitória dê a volta e ganhe o campeonato. Agora se acredito em algum dos cenários? Não”.

18 Comentários

  1. Pena que em 2004 quando Durão Barroso saiu e Santana Lopes ficou como Primeiro-ministro, a esquerda não se tenha lembrado que as pessoas elegem uma assembleia e não um primeiro-ministro. As vozes eram tantas a dizer que as pessoas não tinham votado em Santana Lopes, que a assembleia (Que por acaso até tinha maioria) foi dissolvida, convocadas eleições e imagine-se quem ganhou??? PS.

  2. Muito boa análise, gostei essencialmente da ordem como organizou a linha de raciocínio. Obrigado por este tempo de qualidade

    100porcentocorda.tk trabalhos verticais

  3. Ninguém reparou que era de esquerda Ahahahahaha
    E se a PAF não ganhou, o PS muito menos. E não dou um ano para a sua esquerda se desentender e começarem as divergências. Acho ridículo agora serem BFF quando passaram 40 anos a criticarem – se mutuamente.

  4. A política tem que deixar de ser vista como futebol. Eu votei PSD em 2011, mas o CDS em nada tem a ver com o que acredito e com o que pretendo. Logo, enquanto o PSD estiver coligado com o CDS, não será o meu partido. Vamos analisar friamente a questão de quem ganhou as eleições e de quem governa. Por muito que a PaF fosse governo, não iria governar e isto é um facto. Podemos tentar fugir da realidade, mas ela existe e atrapalha a visão romântica da coisa. Se a PaF fosse governo, iria ver as suas propostas sucessivamente rejeitadas. Quem governa não é um partido, é a maioria dos votos da AR, só assim existe a nossa democracia. Quando votamos, é importante termos consciência destas questões e conhecer as regras do “jogo” para evitarmos desilusões emotivas. As questões emocionais só atrapalham a realidade e criam impasses que em nada beneficiam o país.

  5. Julgo que 0 meu pensamento vai mais em linha com a chamada “Social Democracia”.

    Não defendo em absoluto a nacionalização nem a planificação total da economia, própria de um estado comunista. Mas defendo que há sectores de actividade que podem e devem ter a participação do estado, nomeadamente nos:
    – Transportes (ferroviários, rodoviários de passageiros, aéreos);
    – Gás, água e electricidade;
    – Combustíveis.
    – Telecomunicações (não defendo uma empresa 100% pública, mas uma golden-share nas empresas existentes para garantir serviços mínimos).
    – Banca (CGD).

    Não defendo que o Estado tenha que ser um pai para todos, mas acho que o Estado pode e deve ter serviços e prestações sociais. Não concordo com o rendimento mínimo garantido, mas concordo com a existência de pensões de reforma, pensões para quem é inválido, melhores serviços de saúde, melhores escolas, melhor justiça.

    Choca-me a brutal diferença de rendimentos entre quem ter as profissões mais bem remuneradas face às profissões que são mal remuneradas.

    Choca-me que a nossa economia de mercado seja uma economia em que os sectores não “transacionaveis” funcionem como uma oligarquia cartelizada, com combinações de preços e de serviços (telecomunicações, energias, por exemplos).

    Choca-me que muitos dos gestores das empresas mais cotadas venham a público dizer que “é preciso tirar o estado da economia”, mas mal as coisas correm mal, venham pedir ajudas a esse mesmo Estado.

    Choca-me que muitas das empresas existentes em Portugal vivam à conta do Estado (construtoras civis, banca, electricidade, que ganham rendas chorudas à conta das parcerias publico-privadas).

    Choca-me que as privatizações sejam feitas “para os amigos” em sectores que constituem monopólios autênticos (águas, TAP, CTT).

    E sim, tudo isto com a benção dos governos PS/PSD/CDS.

    Não me vais ouvir dizer que:
    – És de direita porque estás bem na vida;
    – És de direita porque ganhas rios (?) de dinheiro;
    – És de direita porque fundaste um projecto teu (sem ajudas do Estado, com certeza);

    Até porque conheço muita gente que está no fio da navalha e defende ferozmente a direita!

    Mas neste país, a direita e a esquerda são outras. A direita quer monopólios privados, em que os donos dos monopólios exigem ser tratados como deuses (e aqui em Portugal temos a mania de endeusar quem tem mais; não é uma questão de ideologia, é mesmo uma questão de vivência na nossa sociedade) e a esquerda quer monopólios públicos, em que os gestores desses mesmos monopólios se abarbatam dos recursos de todos…

    Não sei se leste, mas recomendo as obras do José Gomes Ferreira: “O meu programa de governo” e “Carta a um bom português”. São apenas opiniões, propostas de um jornalista da área de economia. Mas lá está: sem ser totalmente de esquerda e sem ser totalmente de direita, as propostas que ele apresenta condizem, muitas vezes com aquilo que eu penso. E certamente terão muitos pontos de contacto com aquilo que tu pensas.

    Peço desculpa por divagar, mas gostaria mesmo que lesses a minha opinião. E que certamente será tão válida como a tua. E é isto que faz a riqueza das sociedades: o debate das diversas opiniões com o respeito mútuo que cada uma merece. 🙂

  6. Eu posso estar errada, mas tudo o que li neste texto acerca das tuas convicções me levaria a acreditar que apoiarias as políticas do PS (e não estou a falar das pessoas que agora o dirigem ou destes acordos de Governo). “Uma economia de mercado livre, com um Estado regulador”, a verdadeira social-democracia, é muito mais PS do que PSD, uma vez que este último (e cada vez mais) gosta muito pouco que o Estado regule e tenha mão no que quer que seja. Sabes bem que o PS, de esquerda, só tem um cheirinho. E o nome.

    Concordo, sim, que o Estado não deve dominar todos os sectores mas sim, e SEM DÚVIDA, os essenciais para todos — água, saúde, educação, justiça e segurança. Acredito também que a concorrência beneficia o consumidor; que beneficie salários já não sei, basta ver o quanto ganham e como são tratados os pequenos funcionários das grandes cadeias de comunicações e supermercados neste país.

    O problema do Partido Social Democrata é ter deitado o “Social” ao lixo. Não defendo que se distribuam “subsídios por dá-cá-aquela-palha”, mas não posso apoiar quem tira o mais que pode (literalmente até onde a Constituição permite) a quem já vive mal em nome do crescimento e recuperação que não chegam, enquanto beneficia largamente os que mais têm. Basta ver o quanto aumentaram, e continuam a aumentar, os números tanto da pobreza como da riqueza milionária em Portugal nos últimos anos. A economia “trickle down” não funciona, só aumenta o fosso da desigualdade.

    O que se paga em pensões mais que duplicou nos últimos 20 anos, e isto não é suportável, obviamente. E como vai ser daqui a outros 20, 30, 40 anos? Sem apoios, sem empregos estáveis e com ordenados miseráveis não podemos ter filhos, e quem já tem não pode ter mais. Estamos com números de emigração que não se viam desde os anos 60. A população activa só diminui e a população idosa só aumenta. É a tirar mais e mais às pessoas que recuperamos, sem jovens para trabalhar, sem crianças a nascer? As políticas da coligação podem ser as mais eficazes para o agora, mas acredito piamente que iam acabar com o nosso futuro.

    Para terminar, não penses que as tuas convições políticas são as únicas a serem criticadas e ridicularizadas. Sejamos de esquerda, direita, comunistas, libertários, monárquicos, o que for, vamos sempre levar com críticas e (tratando-se da internet) insultos parvos. Para sermos criticados basta termos opinião. É a vida.

  7. Nada contra o post, apesar de ser de esquerda acho que esta coligação pós eleições é uma palhaçada, especialmente por serem partidos com ideologias tão diferentes (apesar da ideologia do BE ser o que está na moda, por isso integra-se com quem quiser, vá).
    O que eu não concordo é com isto: “Comecei a identificar-me mais com uma visão moderada do mundo e da sociedade, passei a ver o caminho comum europeu como o caminho certo, deixei de ver necessidade nas nacionalizações e, sobretudo, deixei de achar que o Estado deve ser o suporte de toda a sociedade, que o Estado deve ser dono de empresas de vários sectores, um paizinho de toda a gente, um distribuidor de subsídios por dá-cá-aquela-palha.”
    Para mim, claro, acho impossível haver uma sociedade justa sem o Estado social que seja o centro da sociedade. Tem de haver saúde gratuita (veja-se o caso dos EUA onde ainda não há), tem de haver educação gratuita, tem de haver subsídio de desemprego, tem de haver RSI. Sem estas coisas o nosso país, que já é pobre, ia ficar… nem sei como. O sofrimento e a fome não acabavam. Eu acho que bem que haja mais competição, que os salários sejam melhores, mas não acho de todo que a solução seja privatizar tudo.

  8. Vira o disco e toca o mesmo!!!! Arrumadinho, se a coligação “ganhou” as eleições porque não está a governar? Santa paciência para continuar a ouvir este tipo de conversas…..mais uma vez e de uma vez por todas a PAF foi o partido mais votado mas as eleições elegem deputados e não primeiros-ministros. A maioria dos deputados votou contra o programa do PAF, logo o governo com o primeiro-ministro Passos Coelho indigitado cai e é chamada a governar a 2º força politica mais votada que tem apoio da maioria parlamentar.
    O PS, o CDU e o BE nunca iam votar favoravelmente a um programa de governo contra o qual lutaram contra durante 4 anos, por isso mesmo que não houvesse negociações de apoi entre estes 3 partidos o PAF nunca formava governo porque NÃO TEM MAIORIA PARLAMENTAR.
    Sinceramente não esperava este tipo de comentário do Arrumadinho pois sempre o achei uma pessoa mais culta e ponderada do que mostra com este comentário do “PAF ganhou as eleições”.

  9. Não há partidos, políticos e governos perfeitos. Todos vão errar em alguma coisa, tomar medidas populistas, outras que “destroem” a vida das pessoas. Mas penso que mudar é bom: do PS, CDS e PSD já podemos ter opinião formada no governo (pois já lá estiveram alguns mais do que uma vez). Mas como posso dizer que os restantes partidos, ou mesmo esta nova “coligação” à esquerda não vai resultar? Nunca experimentámos. Daqui a um tempo poderem ter uma opinião formada.. agora tenho apenas esperanças que as coisas melhorem!

    Só mais uma questão: para mim não é admissível que ninguém receba um salário mínimo igual ao que existe em Portugal… seja ele licenciado ou a pessoa com menos habilitações. É um valor tão baixo que apenas dá para sobreviver, e às vezes com dificuldade.

  10. 1. Bom post, este.
    Porque será que falamos, gritamos e escrevemos no facebook sobre futebol, cumprimentos de aniversário, indignações gerais e que “não aguentamos mais o frio” (que por sinal começou há meia hora e nem sequer é frio), mas ficamos calados no que diz respeito a cenas mais importantes, como a política?

    2. Porque será que o jornal “Público” aqui há uns anos fez uma reportagem sobre um jovem casal de direita (dizia respeito ao Eduardo Nogueira Pinto, advogado e a mulher, que não recordo agora o nome), como se isso fosse motivo de reportagem?

    3. Muito mais do que em que partido vota a pessoa de que és amigo, colega, namorado/a, interessa-me a mim saber se é séria, honesta, partilha os mesmos objectivos de vida, se gosta das mesmas canções que eu, como é quando está com mau feitio, etc. etc.

    4. Já é tempo de acabar com a cena do “nós” e “eles” (do nosso partido e o dos outros).

    5. Parte séria agora do meu comentário:
    Ó Arrumadinho, saiste-me cá um “doublestandards”:
    a) Criticas agora o António Costa pelo modo como chegou ao poder. Curioso que nunca te ouvi falar das promessas que Passos Coelho e Paulo Portas fizeram na campanha eleitoral das eleições de 2011 e que depois não cumpriram. Também nunca te ouvi falar da demissão do Paulo Portas e, dois dias depois, regressou ao poder novamente quando Passos Coelho lhe deu mais algumas competências.
    Quanto a Miguel Relvas, de que chegaste a falar, a alegada reforma administrativa morreu no encerramento de juntas de freguesia; a RTP continua fresca e viçosa; o Estado permanece uma monstruosidade burocrática; a Autoridade Tributária transformou-se numa máquina de espremer contribuintes, sejam eles cumpridores ou não; e poderíamos continuar por aí fora.
    b) Concordo contigo quanto ao papel do Estado (6º parágrafo do teu post), só te pergunto, dos deputados e ministros do Governo do Passos e Portas e agora da Oposição, quantos é que têm uma carreira profissional séria, sem a “mão” do Estado, baseada no mérito, que possamos todos avaliar, sem “manigâncias” do Curriculum Vitae, quantos deles foram bons alunos na Faculdade, etc. etc.
    c) por fim, acho que já ninguém usa a marca Façonnable.
    Abraço, gajo do Porto.

  11. Quanto à política, acredito que as pessoas já estão tão descrentes nos políticos que os votos não são decididos por ideologias políticas mas apenas por promessas de um futuro melhor. E este desespero do povo é muito bem explorado por políticos, independentemente da cor.

    Quanto ao Rui Vitória, isto dava pano para mangas. Se foi contratado para apostar em jovens, está a fazer um bom trabalho.

    Em ambos os casos será o futuro a ditar se os políticos que temos agora são uma boa opção e se o Rui Vitória é o homem certo para o Benfica.

    Bom regresso. Abraço

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

  12. Em Portugal a principal ideologia política é o Partidarismo. A Democracia deixou de estar nas mãos dos cidadãos e passou para as mãos dos políticos que os Partidos nos apresentam para serem nossos representantes.
    Por esse motivo, defendo a Democracia Direta e a eleição dos representantes (deputados) em círculos eleitorais em que o cidadão elege quem conhece e quem realmente quer ver sentado no hemiciclo. Assim como a ideia de que o Governo é determinado pela vontade desses representantes diretamente eleitos, por forma a que todos os deputados se comprometam com o Governo que escolheram, trabalhando em conjunto pelo Bem de Todos, acabando-se a ideia de que o Parlamento é um lugar de luta entre Governo e Oposição.
    Quanto aos conceitos Direita e Esquerda, sendo-me imposto escolher entre um e outro, escolho a Direita, mas a minha verdadeira ideologia aproxima-se mais do Libertarismo Moderado (Estado Mínimo, Mercado Livre e apologia das Liberdades Individuais).
    Mas para que novas ideologias e novos representantes emerjam no panorama político nacional, os cidadãos têm de se insurgir contra os Partidos e a sua teia de influências!

  13. Acordo Ortográfico

    Acordo Ortográfico de 1945

    Documento n.º 2 : Bases Analíticas do Acordo Ortográfico de 1945 – 11

    Consideram-se normais na escrita corrente as formas quer e requer, dos verbos querer e requerer, em vez de quere e requere: ele quer, ele o quer, ela requer, ela o requer, quer dizer, e não ele quere, ele o quere, ela requere, ela o requere, quere dizer. São legítimas, entretanto, as formas com e final, quando se combinam com o pronome enclítico o ou qualquer das suas flexões: quere-o, quere-os, requere-a, requere-as.
    A forma quer transmite a sua grafia à conjunção a que deu origem e mantém-na, além disso, em todas as palavras compostas e locuções em que figura: quer … quer; bem-me-quer, malmequer; onde quer que, quem quer que.

    E Façonable é grafado com duplo “n”.

    Bom texto.

DEIXE UMA RESPOSTA