Planos e mais planos

10
1741

Sou muito assim. Quero fazer isto e mais aquilo, e aproveitar aquele bocadinho de tempo que penso que vou ter livre para fazer mais uma coisa e outra. Só que depois, inevitavelmente, nunca se faz nada do que estava planeado, quase sempre porque os tais bocadinhos nunca existem, ou só muito raramente existem.

Este fim de semana foi o exemplo perfeito. Tinha planeado que este seria o fim de semana em que iria cometer uma espécie de loucura saudável: correr até Fátima. Seriam dois dias a correr, 65 km por dia, um desafio que já andava a planear há quase um mês. Reservei um hotel em Santarém para a noite de sábado, paguei-o, comprei um colete refletor de trail com áreas para armazenar garrafas e barras energéticas, já tinha escolhido os ténis, tudo fantástico. Problema: sexta-feira fiquei a saber que teria de trabalhar durante o fim de semana.

Ainda assim, não sabia muito bem como seria a cadência do trabalho. Era provável que tivesse uns buracos, um tempinho para poder fazer algumas coisas. Planeei ir dar uma volta de bicicleta com os putos no domingo de manhã, imaginei-me a comer uma caracolada numa esplanada com a família, a aproveitar o calor e este cheirinho a Verão. Não. Sábado ainda consegui ver o Benfica em paz, ir passear com a criançada de manhã, mas domingo acordei às 8h e já tinha um mail de trabalho, que era preciso começar a despachar. Vim para o computador e aqui estive a trabalhar até às 10h15, hora maravilhosa a que acordou o Mateus. Lá fui tratar dele, dar-lhe o pequeno almoço, dar-lhe banho, vesti-lo, aquelas coisas normais, e depois tentei equilibrar uns pontapés na bola com uns mails de trabalho, o que não é uma ginástica fácil.

Acabei por ter de o deixar na avó depois de almoço, por umas horas, para poder despachar o trabalho todo que tinha. Fui buscá-lo ao fim do dia, voltei a tratar das burocracias caseiras, brincar mais um pouco e pronto, voltar para o computador para continuar a trabalhar.

Parei agora, por uns minutos. Olho para trás, e o fim de semana maravilhoso foi uma correria danada e um stresse com trabalho. Amanhã é segunda e eu já estou a precisar que seja fim de semana outra vez, mas agora a sério. Vou começar já a fazer planos.

10 Comentários

  1. Eu não tenho filhos e sinto exactamente o mesmo…Quando tiver filhos nem sei então como vai ser 🙂 E nunca sentiu que está sempre a fazer coisas mais para agradar os outros que que a si mesmo e fazer aquilo de que realmente gosta? Do género, ir a festas disto e jantares daquilo quando, na realidade, o que lhe apetecia era mesmo passar mais tempo de qualidade só com a sua mulher e os seus filhos? É que dou por mim estou, fins de semana atrás de fins de semana, a ir a jantares de aniversário, às festas dos filhos dos amigos, a casamentos, quando na realidade quero parar um pouco e, simplesmente vegetar no sofá em frente à televisão, ou a ler um livro ou as revistas de que tanto gosto refastelada no sofá, ou ir jogar uma partida de ténis com o meu namorado, e quando isso acontece, parece que sinto sentimentos de culpa, do género “que desperdício de tempo, parece que não tenho vida social”… Cada vez mais acho que tempo é um luxo! E luxo a que poucos, infelizmente, se podem dar.

  2. é a prova de que quem se
    mete em muita coisa ao mesmo tempo, das duas uma: ou nao da conta do recado e nao consegue fazer tudo, ou entao faz tudo mas alguma coisa nao fica bem feita

  3. Um conselho simples, e de amigo.

    Faz o mínimo de planos possível. Vive um dia de cada vez, pois caso contrário ainda corres o risco de teres mais fins-de-semana como este.

    Um abraço.

DEIXE UMA RESPOSTA